NBW 108 – Espírito Santo, Alexandre no STF e o jogo do Temer e companhia 12/02/2017

Amigos do podcast NBW estamos aqui para mais uma edição recheada de assuntos polêmicos. Contando com a presença apenas do André e do Barata, esta edição trata do jogo de xadrez que o presidente Michel Temer está jogando no Palácio, indicando Alexandre Morais para ministro do STF e protegendo seu BFF Moreira Franco. Falamos também da triste situação no Espírito Santo e a ausência do Estado em alguns lugares do país.

Ouça, comente e compartilhe!

Siga a gente no twitter.com/podcastnbw e facebook.com/podcastnbw

E o nosso e-mail para contatos é: contato@podcastnbw.com

Temos também uma playlist no Spotify

Baixe e escute aqui

 

Indicações da semana:

André Pontes

Big Data: o segredo por trás da eleição de Trump

Barata

Bonde do Rolê – Kilo

Música da semana

Jamiroquai – Cloud 9

  • Javyer Mendes

    Já começa com o Cirão da Massa.

    • André Pontes

      hahahaha

  • Highlander

    Gostaria de fazer duas considerações. Sobre o Espírito Santo, até onde eu sei, não há atraso de salários. A reinvidicação é para aumento salarial e não para receber o salário. Já no Rio de Janeiro há atraso mesmo, com mais de um mês de salário não pago.
    E sobre juízes de primeira instância barrarem uma indicação ministerial do presidente, eu não conheço a legislação a respeito, mas o judiciário tem como função garantir que as leis sejam cumpridas e se a indicação do Temer viola alguma legislação então é função dele barrar mesmo, vocês não acham?

    • Nilda Alcarinquë

      Sobre juiz de primeira instância poder barrar indicação feita pelo Presidente: é um assunto que está sendo discutido. Foi aberto o precedente quando um juiz de primeira instância barrou a indicação do Lula. É correto? Não é correto?É algo que o Supremo vai ter que decidir.
      E o Lula já jogou sua carta: pediu que fosse reconhecida a ilegalidade da decisão que o barrou. Se o Supremo disser que não é ilegal, então o Moreira Franco tem que ser barrado. Se disser que é ilegal, reconhecerá o erro do Gilmar Mendes.
      Ou será que nosso Supremo vai criar um “é ilegal, pero no mucho”?

      Estado de exceção é estado de exceção

  • Nilda Alcarinquë

    Olás!

    Sobre o caos no Espírito Santo: duvido que se espalhe para estados como Rio de Janeiro e São Paulo.
    E não, a situação dos PMs nestes estados não é melhor, inclusive no Rio de Janeiro é muito pior, pois nem salário em dia recebem.
    Só que no Rio a PM não é tão unida, pois nem todos sofrem tão severamente as consequências da falta de salário. O motivo disso é bem explicado no excelente documentário Tropa de Elite 2. Os que não aderem ás milícias são os que se desesperam e, num caso extremo, se suicidam em frente às câmeras.
    Em São Paulo os PMs tem autorização para fazerem “bicos” fora do horário de expediente, o que faz com que tenham uma jornada de trabalho exaustiva, e também não sintam tanto os efeitos da falta de reajuste salarial.
    Não sei qual é a realidade em outros estados, mas aparentemente no Espírito Santo nem estes mecanismos existem, então o efeito da desvalorização dos salários deve ter um peso bem maior.
    No mais, precisamos discutir porque precisamos tanto de um policiamento ostensivo e porque investimos tão pouco em policiamento investigativo.

    Bem, fico por aqui.
    E parabéns pelo episódio!

    abraços

    • André Pontes

      Obrigado pelas considerações, Nilda.

  • Eduardo De Carvalho Braga

    Olá equipe NBW
    Pessoal, eu até tento divulgar vocês nas mídias que conheço e utilizo, mas se vocês não abrem uma conta no imprescindível LINKEDIN fica muito difícil… kkkkkkkkkkk!!!
    Abraços,

    • André Pontes

      hahaha, complicado mesmo! Bom, temos contas pessoais lá. Ajuda? hahaha

      • Eduardo De Carvalho Braga

        Se vocês quiserem pode ser, até acho que ajuda a criar contatos, e na minha opinião, o trabalho de vocês com o podcast é bem mais relevante do que os mil posts motivacionais do pessoal que “veste a camisa” sobre copo meio cheio ou meio vazio e infinidade de soluções para o mundo corporativo da Endeavor publicados naquela mídia. Mas sejamos sinceros, pessoal que publica Clarisse Lispector e as verdades que mudarão a sua empresa acompanham NBW?

        Desculpa o sarcasmo, gosto muito do mundo corporativo, essa realidade paralela divulgada pelos R.P. e funcionários SUUUPEEERRRR MOTIVADOS sempre me lembra J.K.Rowling, George R. R. Martin… kkkkkkkk!!!

        Querendo passe e vinculo vocês nas publicações.

        Abraço,

  • Karl Milla

    Caros Senhores da Guerra,

    Já faz um tempo que tenho comentado só pelo Twitter, mas a restrição dessa rede social não permite comentários mais elaborados.

    Penso que estamos entrando em terreno bastante pantanoso e perigoso na política brasileira no momento em que equiparamos as indicações de Temer, feitas durante um governo sem apoio popular em um período de alguns meses, com o claro esforço do PT em 14 anos de se perpetuar, ocupando todas as esferas de poder e sequestrando o máximo de instituições possível.

    Para quem já está me xingando de coxinha, fascista ou reacionário, deixo claro aqui que sou totalmente contra as nomeações de Moraes e Franco, assim como fui contra várias outras nomeações de Temer até hoje. Quem já conhece o que penso, sabe que sou critico de qualquer governo por não acreditar que algum burocrata ou político saiba o que é melhor para cada um de nós nem que tenha realmente o bem estar e o progresso do país como objetivo.

    O que estou dizendo é que as nomeações de Moreira Franco para um ministério e de Alexandre de Moraes para o STF, por mais graves que seja, não chegam nem aos pés das maquinações, acordos, negociatas, tentativas de sequestros institucionais perpetrados pelo PT enquanto governo federal.

    Não se trata simplesmente de comparar números de ministros de governo citados em esquemas, nem de enumerar os integrantes do Supremo e suas ligações mais do que claras com partidos políticos (com direito a reclamações públicas quando estes não votavam de acordo com o partido que os indicou).

    A questão mais profunda é a tentativa descarada do Partido dos Trabalhadores (ícone da esquerda e apoiado por quase todos os partidos com essa inclinação) de se tornar hegemônico, inquestionável, supremo, controlando ao mesmo tempo sindicatos, veículos de imprensa tradicionais, inúmeros sites de notícias na internet, escolas, universidades, o congresso e o senado federais, o poder executivo e o poder judiciário. Se isso tudo parece exagero, é só observar com que naturalidade este mesmo Podcast fala de artigos do Safatle, Boulos ou Freixo, mas sente a necessidade de se desculpar ostensivamente quando, uma vez ou outra, são obrigados a citar alguma coisa do Reinaldo, do Antagonista ou da Veja. Quando alguém se atreve a criticar, por exemplo, o Bolsa Família, a política de cotas raciais ou o aumento real do salário mínimo, imediatamente questiona-se a índole e as intenções do interlocutor.

    Grande parte dos políticos brasileiros são corruptos sim, inclusive os que assumiram o governo agora. A política internacional é repleta de casos de políticos corruptos. Mas o PT é uma Organização Criminosa. Perto do que esse partido político construiu no seu período de governo, todos os outros governos democraticamente eleitos no Brasil (inclusive Temer, eleito vice) parecem estagiários atrapalhados.

    O discurso de que “Temer não é melhor que Dilma” é o modo perfeito de pavimentar a volta dessa Organização ao poder talvez já em 2018, antes que o Brasil consiga expurgar minimamente seus órgãos e instituições através das investigações em andamento.

    É claro que houve progresso social no período em que o PT governou, mas como qualquer economista honesto deve admitir, é impossível saber com certeza se esse progresso ocorreu por causa das políticas sociais ou apesar delas. É bem simples de entender: o período Lula foi marcado por uma grande expansão e crescimento econômico mundiais, especialmente nas commodities. A única maneira de saber com certeza se a política do PT contribuiu para a melhora social do Brasil seria se tivéssemos como observar um Brasil paralelo, governado por outro partido, adotando outras políticas públicas no mesmo período, e comparar as duas situações. Quem defende Lula compara o seu governo com governos anteriores (o que é injusto e impreciso). Quem ataca Lula compara o Brasil desse período com outros países no mesmo período (o que também é injusto e impreciso).

    Mas um fato inquestionável é que, mesmo gozando de enorme popularidade e apoio político, Lula não implementou nenhuma reforma essencial ou importante no país. Ele se limitou às políticas assistencialistas e populismos diversos, o que comprova minha opinião de que políticos, via de regra, nunca têm como objetivo melhorar realmente o país. Também é inquestionável o volume de dinheiro investido em blogs e veículos de imprensa chapa-branca, o apoio a certos “empresários” amigos e grandes propagandistas do governo, o aparelhamento do Estado, as diversas tentativas de controle da imprensa e da internet, entre outras medidas pouco democráticas.

    E, se alguém leu esse texto até agora e continua me xingando, pode ter certeza que minhas posições não seriam diferentes se estivéssemos falando das mesmas situações, só que de um partido de direita.

    Portanto vou continuar criticando Temer pelos seus erros, mas me recuso a comparar suas atitudes com as de Dilma ou Lula pois o real retrocesso para o Brasil seria a volta do PT (ou algum de seus aliados) ao poder em 2018. A Lava-Jato, contra todas as expectativas e superando vários obstáculos, ainda resiste firme e está longe de ser a investigação de um partido só, como muitos acusavam antes. Mas o maior risco que ela corre não vem do Alexandre de Moraes. Vem do Lula 2018.

    Abraços.