NBW 117 – Política Nacional e atentado terrorista em Manchester 28/05/2017

Amigos do podcast NBW estamos de volta com time completo para comentar mais essa semana de vergonha na política nacional. Falamos sobre quem está na briga para ser o próximo presidente do país, caso Temer caia, e sobre o andamento do processo de cassação da chapa Dilma/Temer no TSE.

Na segunda parte da edição dessa semana discutimos sobre o atentado terrorista que aconteceu em Manchester, na Inglaterra.

Ouça, comente e compartilhe!

Siga a gente no twitter.com/podcastnbw e facebook.com/podcastnbw

E o nosso e-mail para contatos é: contato@podcastnbw.com

Faça parte do nosso grupo de discussões políticas no Facebook

Temos também uma playlist no Spotify

BAIXE E OUÇA AQUI

 

Indicações da semana:

Ulisses Neto

A respectable family

Song Exploder: Michael Kiwanuka

André Pontes

Malala: a menina mais corajosa do mundo

Barata

The best officials money can buy: China’s crony capitalism

Música da semana

Liniker – Zero

  • Karl Milla

    Caros Senhores da Guerra,
    Pareceu jogada ensaiada com o Mamilos 109, que deveria ser obrigatório ouvir na sequencia deste (ou vice-versa).
    Mas estamos em um ponto de ruptura na história política do Brasil e não podemos ficar só vendo o próximo impeachment, a próxima eleição, o próximo escândalo. Este sendo um podcast importante sobre política, penso que é indispensável se fazer uma discussão séria sobre todo o sistema, sobre como reconstruir a política brasileira das cinzas que serão deixadas pelo incêndio chamado Lava-Jato (e agregados).
    E um dos pontos fundamentais para embasar essa discussão e tirar ela do vácuo teórico é a seguinte: quem tem o poder de decidir algo (para si ou para os outros) precisa também sofrer todas (ou grande parte) das consequências, boas e ruins, que advém dessa decisão, no curto e no longo prazo. Toda vez que um sistema permite que as consequências de decisões (especialmente as ruins) recaiam sobre outros, criamos dois problemas cujo efeito negativo se soma: por um lado acabamos dependentes de pessoas de boa-fé e caráter ilibado para ocupar esses cargos (e quando isso não ocorre, ficamos expostos ao desastre) e por outro criamos incentivos grandes para que pessoas de caráter duvidoso e mal-intencionadas se interessem e se esforcem muito mais para alcançar tais cargos.
    Esse é um dos grandes argumentos, de caráter bastante pragmático, para diminuir o poder do Estado e deixá-lo somente com as funções realmente sociais (cuja definição também é variável de acordo com o interlocutor, mas certamente não engloba, por exemplo, doar bilhões em incentivos para mega-empresários). Esse também é um grande argumento para a descentralização intensiva do poder político, aproximando assim a população dos centros decisórios, facilitando políticas regionais e evitando a formação de um cofre público central gigantesco e de valor inigualável ao grande capital e a agentes públicos corruptos.
    Por ora é isso,
    Grande abraço.