NBW 052 – PANELAÇO 17/03/2015

john-oliver

 Alerta: esta edição do podcast NBW começa com uma fala de 20 segundos da presidente Dilma Vana Rousseff. Portanto, prepare as panelas, pule o início do programa, ou (o que consideramos o mais recomendável) simplesmente ouça o que a mulher tem para falar.

Como estará o Brasil daqui a 100 dias? Dilma já terá caído? A esquizofrenia dos que pedem a volta da ditadura militar (Jesus FUCKING CHRIST!) já terá passado? O Brasil terá retomado algum trilho de normalidade?

Por favor, divida com a gente a sua opinião sobre as perguntas acima. Respostas, claro, não temos com precisão. Mas expusemos nossas opiniões sobre os últimos fatos que atormentam a nação na edição 052.

Em tempo: o Datafolha publicou um perfil interessante dos manifestantes do domingo passado que não estava disponível quando da gravação deste episódio. De qualquer forma, os números corroboram – em parte – com as observações empíricas. Leia neste link

Bom apetite!

BAIXE E OUÇA AQUI

  • Icaro Kossmann

    Acabo de ouvir o programa e está muito bom. Mas tenho que escutar de novo a parte das indicações porque não estão no post hahahahha #ficadica

    Mas bem, respondendo a pergunta sobre os 100 dias, penso o seguinte: concordo com o André de que nesse prazo ela vai fazer uma reforma ministerial, vai tentar reatar a ‘amizade’ com o congresso, mas grande parte da população vai continuar com essa esquizofrenia de “não quero te ouvir, some daí e leva o PT junto”. Porém tenho esperança de que em 100 dias, mais pessoas comecem a ter uma consciência mais ampla de política e de nossa situação e de que talvez os protestos mudem, para reforma política ao invés de impeachment (já escrevi tanto essa palavra que nem procuro mais no Google pra saber se está certa), é quase utopia pensar nisso, mas vai que…
    Também não acho que ela vá ser ‘impeachmada’ pelos seguintes motivos: quem realmente (na minha visão) está no poder é o PMDB, como todas as críticas e vaias se direcionam pra Dilma e para o PT, é mais fácil deixar ela onde está, utilizar a figura dela como ‘escudo a prova de balas’ e governar nos bastidores, por outro lado o PSDB, deve ‘Temer’ o PMDB, então melhor deixar quem ainda se pode bater e tentar extrair algo, do que colocar um partido tão poderoso quanto o do nosso querido vice oficialmente na presidência. A não ser que a Lava-Jato ou qualquer outra operação consiga ligar ela diretamente a algum escândalo de corrupção, aí não tem choro.
    Em relação ao ‘golpe militar’ acho que muitas pessoas vão continuar com essa ideia na cabeça, principalmente os mais velhos, mas acho que a probabilidade de encontrar vida alienígena em Marte seja maior do que os militares tomarem o poder, porque: vivemos num contexto histórico e global completamente diferente de 64, não temos mais Guerra Fria (embora eu ache muita ingenuidade, pra não dizer outra palavra, quem ainda pensa que o mundo se divide em esquerda e direita), o alto comando das Forças Armadas já deixou bem claro que não voltam mais, porque no fundo, “não queremos essa bomba na nossa mão, estamos muito bem e de boa no nosso canto, vocês que fizeram a merda que se virem pra limpar” . Sem contar que se as forças armadas assumirem, seria uma afronta diretíssima a Constituição, iria pegar muito mal pra imagem do país, não tem mais os americanos apoiando, até porque se apoiassem pegaria mal pra eles também e derrubar um governo eleito democraticamente, por mais incompetente que seja, através de um golpe, é pedir pra levar embargo de todos os lados, aí sim correríamos o risco de virar Cuba ou Venezuela.
    Acho mais plausível, porém igualmente difícil, ela não aguentar a pressão e renunciar, naquele esquema: cansei, um monte de gente fez merda e só sobra pra mim, agora vocês que se virem com esse abacaxi!!!
    Essa é minha opinião, baseado em nada hahaha, só achismo também, mas creio que a democracia não está em risco, ainda.

    Só um adendo: não defendo ela, nem qualquer outro político, mas as vezes acho que falta bom senso na população ou é pura preguiça de pensar mesmo. Porém, mesmo com um certo ‘show’ de ignorância que se vê por aí, é ótimo que a população tenha aberto os olhos pra política, agora só é necessário que amadureça politicamente e para o DEBATE político, mas é desse amadurecimento que eu tenho medo. Medo de que não ocorra.

    • Ulisses Neto

      Fala Icaro. Cara, é aquela expressão em inglês “better the devil you know” em relação ao PSDB e ao Temer. Também acho que pra maioria da oposição – exceto aquele sujeito chamado Paulinho da Força, é melhor deixar a Dilma levando porrada do que elevar Temer e cia à um novo status. Chance de golpe militar também acredito ser nula. 2015, cara. Hoje não se cala mais um país que tem um mínimo de base democrática do tamanho que tem o Brasil. Mas também não acredito que a Dilma vá renunciar em algum momento, não. Embora, a frase dela na coletiva depois das manifestações ‘o governo não sou eu’ tenha soado bem estranha. Não sei se saiu desse jeito porque oratória definitivamente não está na lista de dons dela, ou se havia alguma mensagem subliminar ali, o que seria brilhante.

      • Icaro Kossmann

        Sobre INTERVENÇÃO MILITAR:

        É de Setembro de 2013, o General Villas Boas, era comandante da Região da Amazônia, esse ano foi empossado como Comandante Geral do Exército.
        A parte que interessa começa em 8:25 min.

        https://youtu.be/0t53nREJt0o?t=8m31s

  • Nilda Alcarinquë

    Olás!

    Sobre as manifestações do dia 15/03:
    Não fui pois não me sentia representada pela organização e por boa parte dos que anunciaram presença, e que foram. Apesar de economicamente fazer parte dos 10% mais ricos do país, histórica e culturalmente não o sou.
    Darei só um exemplo do tipo de discurso que não em representa:
    Quase todos que li ou escutei reclamar da alta do dólar, fala sobre as comprar que deixará de fazer ou das viagens de intercâmbio ou turismo.
    Sério? A alta do dólar só afeta isso?
    Isso pra mim não só não é importante como não tem nada, mas nada mesmo a ver com a minha realidade.
    Mas não vejo os “economistas” de rádio e TV (sim, entre aspas pq não os respeito) falando do quanto a alta do dólar vai ferrar o pobre que compra feijão (importado da China) ou o óleo de soja (cotado pelo dólar). Este discurso sim chamaria muito mais a minha atenção, e dos que estão à minha volta.
    Se quem está encampando a “revolta” não se preocupa com o preço do feijão, não me representa.

    Aqui onde moro não houve panelaço, nem nada parecido com isso. Na periferia estamos bravos com a situação do país.
    Mas, de forma muito interessante, a maioria das pessoas aqui da periferia onde moro dizem que não adianta tirar a Dilma se o prefeito, que não limpa a cidade e não faz uma campanha de combate à dengue, continua impune.
    Disso eu avalio que o povo não é tão bobo ou inocente como muitos estão pensando. Sabemos da existência da corrupção generalizada. E participamos dela assim que podemos.

    Bem, isso é apenas uma pequena avaliação do que percebo onde vivo e com quem convivo.

    Ah, eu eu acredito que o país está mudando, e por um simples motivo: viramos 2014 pra 2015 com DIRETORES DE EMPREITEIRAS NA CADEIA! E estavam lá acusados de serem CORRUPTORES!
    Em 47 anos de vida é a primeira vez que vi isto acontecer neste país. Mesmo que não sejam condenados, só de terem ficado mais de 24h presos já é um sinal de que algo está mudando.

    abraços

    PS: podem contar com minha indicação sempre, porque podcast é uma mídia que amo e defendo fortemente que deva ser a mais variada possível.

    • Ulisses Neto

      Valeu, Nilda! Não tenho nenhuma frase do seu comentário para discordar. A alta do dólar (que por sinal está ocorrendo no mundo todo, não só no Brasil. As pessoas esquecem de comparar o real com o euro também para ver isso) tem como menor dos efeitos as viagens a Miami ou onde quer que seja. O impacto na inflação é generalizado, embora por um outro lado, possa ser um bom caminho para a indústria, desde que outras medidas de fomento inadiáveis sejam tomadas pelo governo.

      Só quem é MUITO ignorante acredita que a opinião política da periferia é menos instruída do que a da classe média alta, na minha opinião. No geral, temos todos uma formação fraca sobre o tema e se existem as lideranças intelectuais na parte de cima da pirâmide social, elas também estão lá na base.

      Abraços e obrigado mais uma vez pela recomendação!

  • Olá amigos,
    Como sempre não tenho nada grandioso pra comentar. Ando acompanhando o que tem acontecido mas tenho tido uma resistência absurda em discutir política publicamente, estou ficando velho e cansado do fanatismo das redes sociais(sei que tou errado nisso, mas enfim). Respondendo as perguntas:
    Não sei como estará o país daqui a 100 dias. Mas me ocorreu que cedo ou tarde o PT vai ter que encarar o fato de que o partido está liquidado, de que não vai ser perdoado e que precisa se distanciar do centro em que ele mesmo se colocou. E se o Lula está distanciado disso tudo pra poder surgir como o salvador em 2018(caso ainda esteja vivo), me ocorreu que a Dilma nem precise ser derrubada pra entregar o posto.
    Sobre a esquizofrenia. Eu acho que não só a esquizofrenia dos saudosos dos velhos tempos não vá acabar, como não acho que o fanatismo e a irracionalidade da direita e da esquerda vá diminuir. Pessoalmente, estou abatido demais com esses exageros. Mais abatido ainda por eu, que estou a anos luz de ser um cara moderado, precisar bancar o reflexivo e tolerante nesse mar de gente desesperada e reativa. Quero que tudo isso passe logo pra voltar a ser o mesmo esquerdista radical e intolerante que sempre fica em minoria.
    SInceramente, acho que o pior disso tudo não é a política ou os escândalos. O pior é a imaturidade com que todo mundo(quase todo mundo) tem encarado os escândalos e a política. E isso demora tempo demais pra mudar, ainda mais porque depois que o PT sair do governo ainda vão levar uns 15 anos pras pessoas pararem de culpar o PT por todos os males do mundo. Mas são especulações rasteiras minhas.
    Ansioso pelo próximo episódio.
    Um abraço

    • Ulisses Neto

      Cara, eu entendo o que você diz sobre as redes sociais. Também não comento nem discuto nada no Facebook simplesmente porque não dá. Mas existem vários espaços em que o pessoal está disposto a debater decentemente (como esse aqui) mesmo quando as posições são bastante divergentes!

      “Mais abatido ainda por eu, que estou a anos luz de ser um cara moderado, precisar bancar o reflexivo e tolerante nesse mar de gente desesperada e reativa.” Mano, ri muito alto porque me enquadro 100% nessa frase. Também estou bastante abatido com essa situação. Pra mim, foi um ‘estupro’ moral ter que cobrir a manifestação do domingo, mesmo que tenha sido uma bem pequena e fora do país. E me senti assim não porque os caras que estavam lá tinham opiniões diferentes das minhas, mas por causa do ódio que exala de parte dessa galera. Claro que esse mesmo ódio está presente na esquerda também, não duvido disso. É que o ódio sem nenhuma reflexão política sobre o tema, sem nenhum argumento minimamente politizado sobre o tema (mesmo que seja um argumento equivocado), só porque “ela é uma vaca”, me deixam bastante deprimido.

      Abração, Marcel!

  • Roger Anselmo

    Aqui em belém, não participei das manifestações.

    Pelo que pude perceber, aqui o sentimento era basicamente “FORA DILMA SAFAD&~, PIRANH@*. FORA PT. AÉCIO ERA O PRESIDENTE QUE PRECISÁVAMOS E FHC É UM ESTADISTA DE VERDADE”.

    Pior do que a necessidade de criar um herói para tudo e ignorar pontos fracos do governo FHC, o que muito me assusta é que, embora tenhamos no Brasil mais de 65 mil políticos eleitos(entre vereadores deputados, prefeitos, governadores, etc) e mais de 30 partidos registrados no TSE apenas um político e um partido são responsabilizados pelos problemas do país.

    Diferente de vocês que produzem o NBW e dos que aqui comentam, eu pouco entendo de política, por isso perdoem qualquer besteira que eu tenha dito.

    parabéns pelo ótimo programa 🙂

    • Ulisses Neto

      Valeu pelo comentário, Roger! Viu o comentário do Juca Kfouri sobre os xingamentos contra a Dilma? Ele vai bem nessa linha… Enfim, a ofensa até faz parte da revolta e tals, mas é que algumas ofensas soam muito machistas pro meu gosto!

      Abração

  • Gus Hansen

    Escutei o programa no dia 17 mesmo, acho que de noite, após ver entrevistas longas do Eduardo Cunha nas TVs Cultura e Globo News. A impressão que tenho é que se existe alguém com força no momento é ele. Como presidente da Cãmara pode deixar passar ou atravancar o que quiser. Ontem (18/03) foi dia de mandar a presidente demitir Cid Gomes que, convenhamos, não merece ser ministro de coisa alguma. Como foi relatado sobre uma reunião de Dilma com a cúpula do PMDB alguns dias atrás, o maior partido do país não quer mais ministérios, quer é governar. E, pelas atitudes de Eduardo Cunha, estão levando a ideia adiante.
    Cunha tbm me surpreendeu nas entrevistas na TV. Foi firme nos seus posicionamentos, eloquente ao se colocar como um ordenador dos trabalhos da Câmara e não como adversário de Dilma e, ainda por cima, demonstrou muita segurança, algo que falta ao governo qdo quer transmitir suas propostas. Pelo que percebi, Cunha assumiu com gosto o papel de protagonista nessa crise. Desde domingo à noite, após as manifestações, a presença dele na TV e noticiários ficou ainda maior. Só de TV deve ter dado umas 3+ horas de fala se juntarmos Roda Viva, Canal Livre, Globo News (Diálogos, com o Conti) e telejornais. Enquanto o governo federal fala pouco, titubeante e sem dar as respostas que a população procura, Eduardo Cunha bate forte, fala firme e enrola o bastante para não entendermos completamente o quadro, mas passa a sensação de estar cumprindo todas as regras e cuidando para que as instituições funcionem. Ou seja, consegue passar uma impressão muito forte em um período de governo fraco…
    Senhores que brigam no War,
    vocês falaram sobre o Aécio não ter participado das manifestações do dia 15. Acho que ele vai ficar pianinho durante um bom tempo ou até para sempre. A âncora que impede o tucano de voar é um saco de pó de 450Kg. Vejo como surreal o tratamento que este caso recebeu e só posso imaginar que está sendo usado como um “seguro” contra tucanice. Este fato também, creio eu, ajuda ainda mais o PMDB e Cunha especificamente. O cara que deveria ou poderia liderar a oposição está o mais low profile de todos, o que dá espaço pro Cunha com toda a sua esperteza política. Assim, Cunha se posta como principal defensor do povo e da Câmara ao barrar qualquer iniciativa do governo que ele considere danoso ao povo. Isso tudo sem sair da base do governo, podendo desempenhar papéis distintos conforme lhe for conveniente.
    Respondendo a pergunta sobre o cenário daqui a 100 dias, acredito em um quadro bem parecido ao de hoje. Nem de longe imagino o impeachment de Dilma. Como vocês bem lembraram o impeachment de Collor só aconteceu porque ele passou a mão na poupança de todo mundo. Hoje, todos os envolvidos sabem as consequências. Se o Brasil está mal qualificado hoje para investimentos, imagine durante e após um processo de impeachment. Imagine a turbulência política, toda a esquerda se unindo novamente para virar oposição. A ficha provavelmente suja de Cunha seria investigada minuciosamente. As consequências de um impeachment acho que ninguém está a fim de encarar. Também arrisco a dizer que o governo fará algum movimento significativo no sentido de melhorar sua imagem, algo que o povo apoie. Também acredito em um ataque do governo contra a oposição, novos nomes ou novos indícios nas listas de investigação, algo que faça a oposição assumir uma postura mais branda, algo que ameace nomes importantes. Portanto, acredito em um cenário onde a queda de braço continua porém com todos pisando um pouco no freio do escândalo.
    Sugestão: sei que vocês fazem os programas em cima dos fatos atuais, mas se algum dia forem fazer algo mais temático deixo a sugestão de conversar sobre Jornalismo Político. Analisar estas águas que vão da mais cristalina ao volume mais morto e fétido possível. Vejo muito combate e pouca análise. Vejo gente inteligente recorrendo a memes para desmoralizar o outro. E pior, vejo pouquíssimos se esforçando para que a população entenda um pouco mais sobre o assunto.
    Parabéns e continuem com a qualidade nas discussões.
    Peace.

    • Ulisses Neto

      Oi, Gus. Valeu pelo comentário. Também estou surpreso com o tamanho do espaço dado ao Eduardo Cunha em praticamente todos os veículos da grande mídia. O que me conforta é que o telhado dele é de um vidro bem vagabundo e, acredito, vai rachar na hora que for ‘conveniente’ para o governo ou para a oposição. Já vimos essa história antes e aposto que ela irá se repetir. Palocci, Dirceu e até Severino Cavalcanti estão ai para nos mostrar isso.

      O sumiço do Aécio também é uma questão intrigante. Não sei se o caso do Zezé ainda vai render algum estrago, mas o fato é que para quem estava adorando posar de paladino da oposição, a falta de protagonismo do senador mineiro num momento extremo como esse é realmente de levantar sobrancelha!

      Abração!

      • Gus Hansen

        Valeu pela resposta!
        Pelo andar da carruagem todo o segundo mandato da Dilma será turbulento, pois, esta crise não se resolverá da noite pro dia e a cada golpe de um lado teremos a contrapartida. Caso os ânimos se acalmem um pouco até o final do ano, em 2016 temos Olimpíadas, tempo de civismo, festa do povo e um baita palco pros oportunistas. Viveremos fortes emoções.
        Abraço!

  • Pingback: Dicas da Semana | Krull's HomePage()

  • Prof. Ribeiro

    Olá, sou novo por
    aqui e, de antemão, acredito que não vou me conter em matéria de divergências
    (espero que estas possam desencadear mais discussões). Vamos lá. Quanto é dito
    que se espera mais educação, acesso a cultura, por parte da classe média, na realidade,
    se incorre na negação da carga política e ideológica inerente a todo tipo de
    abordagem educacional, bem como cultural. Se partirmos do princípio básico de
    que a cultura e a educação são, de certo modo, projetadas pela sociedade,
    podemos concluir que ambas possuem um viés político, por assim dizer. Daí
    termos educação tecnicista, positivista, humanista… Igualmente, cultura
    erudita, cultura popular, de massa… Portanto, ter acesso a
    educação e cultura nem sempre corresponde a esclarecimento e conscientização, a
    depender da perspectiva. Aliás, só para ilustrar, as instituições educacionais
    como as militares (ou as mais conservadoras, de maneira geral) formam, via de regra,
    sujeitos aptos a obediência civil ao invés de críticos (filmes como “Os incompreendidos”,
    do Truffaut, ilustram
    isso muito bem). Mas,
    claro, isso reflete apenas o que penso. Parabéns pelo trabalho, vou estar
    sempre acompanhando.

    • Ulisses Neto

      Olá, professor. Obrigado pelo comentário! Entendo a posição que o senhor levantou. O que esperávamos, entretanto, era alguma forma de mobilização mais sofisticada que gritos ofensivos pela janela, uma vez que trata-se de uma parcela da população com acesso a conteúdo e informação, supostamente, de padrão elevado. A diferença quantitativa tem essa relevância que o senhor apontou, sem dúvida. Mas o ponto é que independentemente de terem sido 200 mil ou dois milhões, o fato inequívoco é que foram manifestações de peso com a participação maior que o esperado por todos. E esse fato é superior a qualquer número, na nossa opinião. Abração!

  • Prof. Ribeiro

    Acredito que o volume da manifestação (do dia 15) é
    importante sim, porque se o Data Folha diz que foi 210 mil (embora a
    metodologia possa ser questionada) e a mídia convencional e a polícia dizem que
    ultrapassou 1.000.000 significa dizer que, com essa desproporção, há uma distorção
    de alguma das partes. Inclusive, isso é determinante para saber se realmente
    foi à maior manifestação política da história do Brasil ou não, já que as
    jornadas de junho também teve uma proporção significativa.

  • Marcos Oliveira

    Nuossa, quase 1 semana de atraso :O, mals ae galera, aqui vão:

    Podcasts –

    Michael Munger on the Sharing Economy
    http://www.econtalk.org/archives/2014/07/michael_munger.html

    Lexcast
    http://lexcast.in/

    Notícias –

    Coluna Ricardo Melo – Dilma, a hora é agora
    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/ricardomelo/2015/03/1603377-dilma-a-hora-e-agora.shtml
    (conteúdo privado, é necessário login)

    Marcelo Rubens Paiva
    – Por que eu não fui?
    http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,por-que-nao-fui-imp-,1651425

    Marcelo Madureira – Por que eu fui?
    http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,por-que-fui-imp-,1651427

    O sensacionalista –
    Túlio Maravilha convocado pela PM de São Paulo para contar o número de manifestantes presentes na Av. Paulista
    http://sensacionalista.uol.com.br/2015/03/16/pm-convida-tulio-maravilha-para-contar-manifestantes-na-paulista/

    John Oliver satiriza escândalos de corrupção no Brasil

    Livros –

    Autor norueguês faz sucesso com série autobiográfica – Karl Ove Knausgaard
    http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticia/2014/06/autor-noruegues-faz-sucesso-com-serie-autobiografica-4518719.html

    Series –

    Transparent
    http://www.imdb.com/title/tt3502262/

    Arrested Development
    http://www.imdb.com/title/tt0367279/?ref_=fn_al_tt_1

    Livros –

    Cordilheira – Daniel Galera
    http://www.skoob.com.br/livro/739#_=_

    Barba ensopada de sangue – Daniel Galera
    http://www.skoob.com.br/barba-ensopada-de-sangue-273201ed306393.html

    O dia em que o cão morreu – Daniel Galera
    http://www.skoob.com.br/ate-o-dia-em-que-o-cao-morreu-3579ed4545.html

    Música

    Stuck In A Moment You Can’t Get Out Of – U2

    • Icaro Kossmann

      Valeu Marcos!!!!