NBW090 – Tentativa de golpe na Turquia e atentado terrorista em Nice 17/07/2016

Golpe na Turquia

Amigos do podcast NBW estamos de volta após um hiato de algumas semanas. E não estávamos de férias. Aliás, muito pelo contrário, estamos trabalhando demais. Enfim, problema de sincronização de agenda resolvido, vamos gravar. Mas vamos falar do que? Tem tentativa de golpe na Turquia, terrorismo em Nice, novo presidente da Câmara dos Deputados e eleição nos EUA. Ah, tem ainda a comemoração de três anos do podcast NBW. Bom, deu pra perceber que foi impossível fazer tudo isso de uma só vez, não é?

Ficamos assim então: gravamos duas edições e vamos lançar as duas de uma vez só. Nesta primeira, a 090, falamos sobre a tentativa de golpe na Turquia e de mais um atentado terrorista na França. Na 091 falamos sobre o novo vice-presidente do Brasil, Rodrigo Maia, e a escolha do vice-presidente da chapa de Donald Trump, nos EUA.

Ouça, comente, compartilhe!

Siga a gente no twitter.com/podcastnbw e facebook.com/podcastnbw

E o nosso e-mail para contatos é: contato@podcastnbw.com

BAIXE E ESCUTE AQUI

 

Música de encerramento

Stevie Wonder – Village Ghetto Land 

Indicações da semana

Ulisses Neto

Stive Wonder – Songs in the key of life

André Pontes

O Rappa – Acústico Francisco Brennand

Barata

NPR Music Tiny Desk Concert: Jane Bunnett and Maqueque

  • Highlander

    Parabéns pelo aniversário do NBW!! Faz pouco tempo que ouço, mas já é um dos meus favoritos! Dado os parabéns, vamos aos comentários…
    Sobre a tentativa de golpe na Turquia eu acho que foi armação do Erdogan para ganhar ainda mais poderes. Acho isso porque as coisas se normalizaram rápido demais. Justamente pelo histórico de golpes na Turquia acho difícil de acreditar que as forças golpistas avaliassem tal mal assim as suas possibilidades de sucesso.
    Sobre o atentado na França, eu acho que tem relação com o ambiente muito mais instável na França do que nos outros países da Europa. Eu nunca estive na Europa, mas pelas notícias que chegam aqui no Brasil a França me parece um barril de pólvora. Lá vive acontecendo manifestações violentas, greves gerais que param o país, protestos massivos, etc. A impressão que eu tenho é que é uma sociedade com muito mais diversidade étnica também…

  • José Pereira

    Muito bom escutá-los de novo. Muita coisa a conversar.

    Por mais que o Erdogan seja uma personalidade muito controversa, um golpe militar não pode ter nossa aprovação. Além de você estar entregando o poder na mãos de pessoas incapazes, vigoradas apenas em disciplina sem nenhum conhecimento de causa, estaria ferindo os desejos do povo. Porém, eu corroboro com o pensamento do colega abaixo, o Golpe de Estado está com muita cara de sabotagem. Erdogan está surfando na onda de indicadores econômicos apresentados durante o governo dele, mas já demonstrou que não pode ser um político de confiança, pois suas atitudes geram total desconfiança, aos moldes Putin quando elegeu Medvedev como fantoche para ele continuar exercendo sua dominância na Rússia. E assim como Putin, sua influência tem trazido muitas vítimas ao país. A liberdade de imprensa já não existe mais, a laicidade do estado está sendo completamente destruída e os Curdos dizimados. Também acredito que o fatídico “Golpe” trará consequências no processo de inclusão na UE, até porque a organização está um tanto instabilizada com toda questão do Brexit, por isso, qualquer movimento favorável aos interesses de Erdogan seriam mal vistos à comunidade internacional. Não vou nem entrar no mérito da questão Armênia porque não acredito que qualquer político turco venha a ter uma postura diferente.

    Mais um atentado na França e a cada dia que passa, o futuro do país fica ainda mais incerto. Eu concordo com todas as críticas ao serviço de inteligência francês, eu sei que é praticamente impossível impedir um cara aleatório subir em um caminhão e sair jogando GTA na vida real, porém, no dia da principal comemoração do país, deveria haver uma maior proteção nas cidades. Também sempre contamos com a hipótese que os profissionais de segurança pública da França são melhores preparados, ao ponto de tomar alguma atitude preventiva o mais rápido possível. Outro ponto de discussão interessante é, se o Terrorismo está amedrontando toda Europa (Sim, eu sei que é uma questão mundial, mas está ocorrendo ataques frequentes no velho continente), a tratativa já deveria ter sido diferente, pois a questão aparenta ser supranacional. Eu entendo que nenhum país gosta de ter sua soberania diminuída, contudo, a situação está evidentemente fora do controle. Poderia ocorrer um trabalho conjunto entre os serviços de inteligência dos países, até mesmo a inclusão da OTAN na participação de planos de ação.

    Abraços.