NBW091 – Rodrigo Maia, presidência da Câmara dos Deputados e Donald Trump 17/07/2016

rodrigo-maia-e-eduardo-cunha

Conforme prometido, está no ar a segunda edição especial de aniversário de 3 anos do podcast NBW. Na primeira edição, a 090, falamos sobre a tentativa de golpe na Turquia e de mais um atentado terrorista na França. Já nesta edição, a 091, debatemos a vitória do deputado carioca Rodrigo Maia na eleição para presidente da Câmara dos Deputados e também vice-presidente da república. Quem ganha e quem perde com isso? O que ele vai fazer em seu mandato de 6 meses? Tivemos tempo ainda de falar sobre as eleição para a prefeitura de São Paulo e da escolha do vice-presidente na chapa de Donald Trump, nos EUA.

Ouça, comente, compartilhe!

Siga a gente no twitter.com/podcastnbw e facebook.com/podcastnbw

E o nosso e-mail para contatos é: contato@podcastnbw.com

BAIXE E ESCUTE AQUI

 

Música de encerramento

Gallant – Episode 08 // Ology Album

Indicações da semana

Ulisses Neto

Gallant – Ology

André Pontes

Deu Liga

Barata

Reply All – Desappeared

  • Highlander

    A política brasileira está muito bizarra. Eu não lembro exatamente os termos usados, mas não faz muito tempo eu vi uma manchete em que o prefeito do Rio detonava a segurança pública, com críticas muito pesadas. Na hora já fiquei com aquele cara de perdido… mas… o governador do Rio não é do mesmo partido do prefeito do Rio???? Agora aconteceu de novo quando vi que o PT estava apoiando o Rodrigo Maia e que o Michel Temer estava trabalhando para detonar o candidatura do Marcelo Castro. Pera aí…. o Rodrigo Maia não é do DEM?? Como pode o PT apoiar??? O Marcelo Castro não é do mesmo partido do Michel Temer??? Como pode o Temer querer detonar a candidatura dele???

  • A informação que, segundo o DataFolha, somente 3% desejam novas eleições, está sendo acusada de fraude.

    “https://theintercept.com/2016/07/20/folha-comete-fraude-jornalistica-com-pesquisa-manipulada-visando-alavancar-temer/”
    “http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/acusada-de-fraude-folha-defende-pesquisa-datafolha/2016/07/21/”

    Matéria da Folha:
    “http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/07/1793761-perguntas-feitas-em-pesquisa-datafolha-causam-polemica.shtml”

    Trecho inicial:

    “Na sua opinião, o que seria melhor para o país: que Dilma voltasse à Presidência ou que Michel Temer continuasse no mandato até 2018?” A essa pergunta, feita pelo Datafolha nos dias 14 e 15 de julho, 3% dos entrevistados responderam, espontaneamente, que preferiam uma nova eleição.

    A porcentagem de favoráveis a novas eleições, no entanto, sobe para 62% nas respostas estimuladas, ou seja, quando o instituto pergunta explicitamente: “Uma situação em que poderia haver novas eleições presidenciais no Brasil seria em caso de renúncia de Dilma Rousseff e Michel Temer a seus cargos. Você é a favor ou contra Michel Temer e Dilma Rousseff renunciarem para a convocação de novas eleições para a Presidência da República ainda neste ano?”.

  • José Pereira

    Eu não consigo levar o Lindembergh Farias a sério. Não dá! Tem muita gente da esquerda que mantém um discurso coerente, como uma boa parte do pessoal do PSOL. Lindembergh vem falar Groselha, com a frágil retórica do “Golpe”, mas esquece que sua carreira política surgiu graças ao apoio a um ato semelhante ao da Presidenta Dilma, sendo que a vítima em questão era Collor. E outra, vem falar de “volta ao Neoliberalismo” como se já tivesse ocorrido de fato no Brasil e sendo algo necessariamente ruim. Sério, esse cidadão é mais uma piada de mau gosto da nossa política.

    Sobre o Rodrigo Maia, pela tal da governalidade que foi pro saco quando Cunha venceu, fico satisfeito. Não seria salutar para o país manter a desconexão entre executivo e legislativo, a ferida ainda está aberta e precisa ser curada. Não é alguém que me representa, até porque todo o governo Temer é uma piada, salve sua equipe econômica que é a única responsável pelo mínimo de crédito que ele pode ter. É o momento ideal para a discussão das reformas que precisam ser colocadas em prática e que tanto o Ulysses menciona quando argumenta seu agrado à agenda de Marina Silva, entretanto o Legislativo já deu sinal que não está preocupado mais uma vez com bosta nenhuma, a não ser a reeleição dos deputados, pois as cidades são suas bases eleitorais para o sufrágio de 2018. Enquanto não houver uma reforma significativa na construção e formação da política do país, a engenharia das oligarquias perpétuas continuará atuando como o Buzz Lightyear “Ao infinito e além!”.

  • Mindingo Iluminatti

    Olá. Vai ter episódio nesta semana (última de julho)? Eu aqui com abstinência; quem mandou viciar a gente…