NBW 027 – PARADO AÍ 28/01/2014

blair_kennard_640

Já pensou em dar voz de prisão para o seu político favorito? Pois é, na Inglaterra existe uma campanha incentivando o pessoal a tentar prender o ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair por causa da invasão do Iraque.

O site arrestblair.org promete pagar uma recompensa para quem der voz de prisão para o trabalhista. E não é pouca coisa, não. Cinco pessoas já receberam cerca de 10 mil reais cada por ter confrontado Blair. Claro que existem regras a serem cumpridas e a premissa básica é que você – sob nenhuma hipótese – pode colocar a integridade física de Blair, ou de quem quer que seja, sob risco.

A ideia é apenas causar constrangimento a um dos políticos que mais divide opiniões no mundo, como conta o nosso correspondente em Londres, Ulisses Neto.

Na 27a. edição do Nós Brigamos no War também falamos sobre política nacional e o novo xerife do Palácio do Planalto.

Bom apetite!

OUÇA AQUI

[download id=”438″]

 

 

  • carlos berenhauser

    Pessoal,

    Vou fazer um comentario mais ou menos sobre os assuntos discutidos no nbw 25 e 26 onde voces trouxeram uma discussao sobre os rolezinhos e o que esta por tras deste “fenomeno” sociologico e voces discutiram tambem sobre o documentario das pessoas que vivem as custas do governo no UK, e o que esta por tras tambem deste “fenomeno” sociologico, para por um pouco mais de lenha nesta fogueira vou citar um documentario mais antigo de 2003 (born rich feito pelo herdeiro da Johnson) que mostra como é e como pensam os herdeiros muito ricos do mundo, para mim sao fenomenos parecidos da nossa sociedade atual, primeiro quero a opiniao de vcs sobre o que tem a ver uma coisa com a outra depois emito a minha para nao influenciá-los. rs…

    • nbwadmin

      Assisti e comentarei na próxima edição. Estou curioso para saber com é a associação que você faz entre os dois casos! Abração! Ulisses

  • Não pude comentar nos episódios anteriores mas consegui ouvi-los. Apesar de não concordar com a atenção exacerbada que estão dando ao ‘rolezinho’ não podemos também negar que é o tal fenômeno (felomenal) ligado às atitudes da sociedade brasileira que se acostumou aos manifestos, mas antes manifestando do que pacífico de tudo. Só não consigo concordar com portas de emergências sendo arrombadas para manifestar nas asas de um avião, isso sim é um baita mico.

    A impaciência do Ulysses foi sim notada mas perfeitamente aceitável no episódio sobre ‘rolezinhos’. Acho que os comentários foram válidos e a atenção que a mídia deu, por maior ou menor que fosse fez valer a presença dos jovens desse país que pouco se importa com o seu povo. Acho que a juventude se sentiu parte do buzz ao reivindicar algo como mais áreas de lazer, etc o que é plausível.

    Por fim, por mais que eu já esteja saturada das artimanhas políticas do Brasil, que é uma questão visivelmente cultural da maioria da população e infelizmente difícil de “domar” a curto prazo, lamento muito. É o que temos pra hoje e sabe-se lá até quando. Como diz o meu pai: qual será a próxima geração na política capaz de quebrar toda essa podridão existente hoje no poder? “Não sei”, disse eu. Pois estou saindo do país por falta de esperança mas espero que algum dia alguma geração se levante para uma causa maior. Eu, geração anos 80, não tenho mais tempo nem paciência.

    Abraços.

    • nbwadmin

      Oi, Luana. Obrigado pelo seu comentário! Desculpe se fui impertinente na edição do rolezinho… mas é que eu li tanta bobagem antes de gravar, que acabei ficando meio farto do assunto.

      Enfim, para mim a história é simples: políticos não vêm de outro planeta, tampouco fazem parte de uma casta rara e exclusiva. São todos brasileiros iguais a nós. E como já defendi anteriormente, o brasileiro, em linhas gerais, compactua e aceita toda forma de malandragem. A única diferença é que no plano piloto essa característica toma dimensões continentais.

      Apesar disso, eu acho, sim, que o Brasil está melhorando nas últimas décadas. Desde a redemocratização o país só andou para frente, na minha opinião. A questão é que, como você disse, nós da década de 1980 não teremos tempo para ver a zona dar lugar a organização…

      Cair fora, ainda que por um período limitado, é importantíssimo. Eu acho que se entende bem melhor o Brasil quando se olha de fora. Como em qualquer situação, na real.

  • Todos QuerSaber

    Tá! Mas faltou vocês falarem para que fundo vocês doariam. Que politico mereceria uma graninha de vocês para que houvesse este estimulo de constrangerem ele publicamente? Isto falando hipoteticamente,claro. Porque todo mundo sabe que vocês só fazem caridade pros chinas do HSBC. 🙂

    • nbwadmin

      Minha religião não permite doações, Thaís! A única que faço é para o governo. No caso, do Reino Unido e do Brasil. Minha contribuição é divulgar os atos de constrangimento da maneira que é possível…

  • Olá pessoal, tudo bom?

    Bom, seguindo por ordem… Na verdade, sugestão aqui. Se vocês vão ler menos comentários (o que é uma estratégia, já que nem todo mundo gosta de leitura de comentários), talvez seja interessante responder as discussões aqui mesmo nos comentários de quem comenta ou nas redes sociais. Assim a discussão não diminui.

    Caras, eu adorei esta história do Blair!!! Deviam fazer o mesmo com o Bush. Bom, deviam fazer o mesmo aqui no Brasil, ainda que eu acho que ia acabar em morte isso. (não sei se todos reagiriam de forma tranquila). Mas, de qualquer forma, adorei esta ideia de crowfounding de justiça. 🙂

    Como sempre, ótimo programa, caras!

    Abraços!

    • nbwadmin

      Fala, Igor. Como sempre, nosso ombudsman dando sugestões de grande quilate! Sim, vamos manter o diálogo por aqui, ou no twitter! Facebook fica a cargo do André porque esse mundo não me pertence hahahahaha

      Essa história do Blair é muito boa mesmo! Curti muito quando fiquei sabendo. Isso rola de maneira informal no Brasil com figuras polêmicas como o Genoino e o Dirceu, como comentamos. Por terem se envolvido num escândalo sem tamanho – e não entrarei no mérito da questão, embora seja fato que os dois fizeram parte de um esquema gigantesco que manchou a história do Brasil mais uma vez, acredito que não faltam figuras para esse tipo de constrangimento no nosso país. Tem que ser um movimento suprapartidário, na real. Mas a galera ainda prefere xingar, bater e causar constrangimento a jogador de futebol.

      • Oi Ulisses

        Vim comentar o outro episódio, mas acabei passando aqui pois tinha uma suspeita que se concretizou. Rs… Seu sistema de comentários não avisa pra quem escreveu se teve uma resposta ou não. Ou seja, assim não dá pra manter o diálogo por muito tempo. Tá, eu sei, eu sou chato, mas sou ombudsman. Ou é alguma questão de configuração (vou deixar a caixa de notify clicada pra ver se é isso) ou sugiro um outro sistema, como o disqus (eu adoro, mas vai de cada um).

        Pois é, tinha que ser algo suprapartidário mesmo. Eu até tive um pouquinho de esperança quando começaram as manifestações no ano passado, mas foi por pouco tempo. Até acho que a internet tem ajudado muito a melhorar a informação dos brasileiros nas questões políticas, mas ainda tá longe do ideal.

        Valeu, abraços!

        • nbwadmin

          Se vc clicar no ‘Notify me of follow-up comments by email’ embaixo do post comment, vai rolar. Mas vou dar uma olhada no sistema que vc indicou, de qq forma! Valeu pelo toque!

          Abração!

  • Que tal se os ouvintes puderem indicar uma musiquinha de protesto e encerramento dos episódios? Após um vinho rosé em pleno sábado a noite, penso… bem que o NBW poderia encerrar com essa…

    Gabriel Pensador – Astronauta…

    É como me sinto, fazer o que??

    abraços….

    • nbwadmin

      Boa escolha, Luana! Vamos tocar!

      É foda sentir isso… Mas você vai sentir falta dessa zona toda quando estiver fora, pode acreditar. Já parei de contar os dias em que sinto homesick por aqui…

  • Fernando

    Para mim, o homesick bateu só no começo, não sinto a menor falta do Brasil, (fora a família e amigos). Ótimo podcast galera, parabéns e continuem assim !

    • Pessoal, me parece que homesick é um assunto interessante para uma pauta qualquer edição dessas. Tenho um colega que mora no Canadá há 17 anos e também poderia contribuir compartilhando a experiência dele. O Fernando também seria legal participar, o qeu acham? Deixem-me saber caso interessem nesse tema e trocamos e-mail para agendar com o meu colega agora cidadão canadense.

      Abraços.

      • nbwadmin

        É um bom tema mesmo, Luana. Estaremos desfalcados de um parceiro dentro de algumas semanas e seria bacana colocar umas vozes diferentes no programa. Vamos dar uma lapidada na ideia por aqui e te avisamos! Abração!

    • nbwadmin

      Valeu, Fernando! Entendo vc, cara. Na real, conheço muita gente aqui que não sente falta nem do sol. Neguinho fica de mau humor só de saber que está indo pro Brasil. E vc nota que é coisa genuína mesmo, involuntária. Pra mim, no entanto, ainda rola uma saudade forte de vez em quando. De qualquer forma, sai do Brasil pensando em ficar dois anos fora e já estou fechando a quarta temporada… Dizem que quando você passa pelo quinto ano, não volta mais. A ver! E vc, tá perdido por onde? Abração!