INTERSECCIONALIDADE: LARA LOPES, REFUGIADA MOÇAMBICANA

Olá, ouvintes do NBW.

Hoje iniciamos a nova série do NBW – Interseccionalidade! E para começar, vamos falar sobre um tema complexo e que está no noticiário há bastante tempo: refugiados.

Conflitos que geram ondas de pessoas que buscam proteção em outros países existem desde que o mundo é mundo. Segundo a ONU, Grécia Antiga, Roma, Egito e Mesopotâmia tinham regras bem definidas para o refúgio. O elemento religioso sempre esteve presente nesses conflitos e ainda aparece como fundamento para justificar medidas pouco razoáveis.

Um ponto em comum entre as pessoas de diferentes origens que buscam abrigo é que a admissão em um país como refugiado pode ser a diferença entre a vida e a morte. Quem busca esse tipo de proteção visa o exercício de direitos básicos.

Entender o sofrimento alheio nem sempre é uma tarefa simples. A Lara Lopes, moçambicana que mora no Brasil há cinco anos, conta que, apesar de ter uma situação financeira estável, a vida em Moçambique oferecia muitos riscos e a opressão era um modo de vida.

No episódio de hoje, a Lara conta porque ela resolveu deixar Moçambique e como o Brasil, apesar dos pesares, ainda pode ser um país viável para se viver.

Espero que gostem e até semana que vem.